segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Meu querido péééééé...

Nunca pensei que eu fosse escrever sobre esse assunto: pés! Logo eu, que sempre achei pé a coisa mais feia de todo o corpitxo humano (isso não deve ser generalizado, algumas pessoas tem coisas bem piores que pés!).
Eu nunca coloquei em questão a funcionalidade dos mesmos, mas de fato aquela coisa comprida cheia de dedos engraçados não fazia muito a minha cabeça. E ouvir algumas pessoas dizendo sentir algum tipo de "fetiche" em relação a pés me dava ânsia! Alguém pode me explicar como alguém pode ter tesão ao olhar um dedão do pé? Definitivamente, existem coisas bem mais excitante, temos que concordar. Mas a questão agora é: pés são fundamentais.
Eu já fiz de tudo pra dar uma melhoradinha no "visu" dos responsáveis pelas minhas caminhadas diárias. Minha primeira tatuagem foi no pé: um pequeno golfinho, meigo, fazendo graça no pé direito pra enfeitar um pouco e disfarçar a feiúra que reinava absoluta por ali. Mas não adiantou muito, e algum tempo depois o golfinho brincalhão se transformou num dragão, e passou a fazer parte não somente do meu pé, mas também de mais 30cm da minha perna. Usei também aqueles anéis bonitinhos, que tiram a atenção do tamanho do seu dedo. Alias as garotas costumam usar UM anel, no meu caso foram 3 de cara: dois no esquerdo e um no direito. Tornozeleira então, tenho uma coleção! Mas nada disso me satisfazia.
Eu procurava também usar os tênis que disfarçavam mais o tamanho do numero 37/38 que eu calçava, mas como o All Star sempre foi meu favorito, eles continuavam parecendo uma lancha. E as legitimas havaianas precisam sempre ser um numero acima, ou seja, eu era obrigada a comprar uma sandália beirando os 40! Mas o pior nessa história toda é que os meus pés, esses mesmos feios e grandes nunca me deram tanto trabalho quanto agora: quando eu não consigo usá-los direito.
No começo era só um calo, coisa de gente que usa tênis o dia inteiro, dança e tal... Bastou um tratamentinho pra que ele fosse embora. Mas acho que ele se apaixonou pelo meu pé feio, e resolveu passear por ali novamente: ah tudo bem - eu pensei - é so fazer um tratamentinho que ta tudo beleza. Tudo beleza, quando?
A porcaria do medicamento que a dermatologista me receitou não ajudou muito, e eu simplesmente não conseguia mais caminhar direito ou calçar o meu all star gigante! E agora? Estariam os meus pés se rebelando contra a minha repugnação ao tamanho deles? Meus dedos teriam entrado em greve? Não pode ser, eles são feios mas eu nunca os chamei de inútil. Alguma coisa tinha que funcionar, não era possível... Eis que então, me apresentaram a solução: - cirurgia Ju, só com cirurgia.
Muito bem, marco aquela que então me faria andar novamente e dar mais valor aos meus pés feios. Vamos começar com a anestesia: dá pra imaginar uma dor que faz você sentir os músculos tremendo? É mais ou menos o dobro! O durante, até que foi tranqüilo (é claro!). Mas me pergunte como estou me sentindo agora? Gente, eu estou morrendo de saudades dos meus pés... E de dor também!
Ta certo, eles continuam sendo feios, grandes, e quem sabe até tem os dedos tortos (se alguém lá no começo sentia tesão por pés, perdeu nesse exato momento!), mas de fato eles fazem uma falta surreal no meu dia-a-dia, que limita-se agora em passar horas no msn, e andando da cozinha pro quarto. O que colabora não somente com a minha inutilidade em relação a todas as coisas, como na minha futura obesidade mórbida! Eu não sei quanto tempo essa rotina chata de saci pererê ainda vai reinar soberana sobre a minha pessoa, mas assim que eles, os pés, voltarem ao normal eu prometo, alias eu juro: vou comprar novos anéis, tornozeleiras e um novo all star para eles. Afinal, os pés podem não ser a parte do corpo mais sexualmente desejada (pelo menos, não do meu corpo), mas sem eles eu fico, quase que literalmente, sem chão! Ou seria, sem pisar no chão?

Nenhum comentário: